Diversidade de pequenos mamíferos: um estudo envolvendo citogenética, morfologia, filogeografia e biogeografia

Resumo: A Biodiversidade varia de acordo com as variações de latitude e altitude. Biogeógrafos têm proposto várias explicações para esses bem conhecidos “gradientes de biodiversidade”, invocando processos ecológicos, evolucionários e históricos. Estudos de gradientes altitudinais são de grande relevância para o conhecimento da biodiversidade, mais especificamente no entendimento da estrutura das comunidades e composição de espécies. Isto pois, gradientes altitudinais podem alterar a heterogeneidade do habitat, uma vez que a estrutura florestal é fortemente influenciada pela distribuição vertical de temperatura e umidade, entre outras variáveis ambientais, que por sua vez são determinantes na diversidade de espécies animais. O Espírito Santo reúne condições ideais para o estudo dessa influência, dado que apresenta remanescentes de Mata Atlântica com altitudes que variam de 0 a 3.000 m. A identificação e investigação da formação destas zonas constituem exemplos claros de estudos zoogeográficos baseados na busca de padrões recorrentes e reconhecíveis de diversificação e distribuição animal, utilizados na reconstrução dos eventos históricos que produziram os atuais padrões regionais de diversidade. Nesse sentido, o foco principal do presente estudo é investigar os padrões de diversidade biológica de mamíferos em diversos níveis: morfológico, cariotípico, filogenético e biogeográfico, visando obter uma interpretação mais ampla da diversidade de formas tipológicas, observadas pelas diferenças morfológica entre táxons; ou genéticas, seja pela observação de diferenças regionais da estrutura do cariótipo de um táxon, que podem revelar padrões ou processos ligados a eventos de especiação ou diversificação local, seja pela observação de composição ou variação de genes que podem resgatar padrões históricos de divergência em função do tempo ou de eventos ocorridos na história demográfica das populações locais. Pretende-se ainda criar um banco de dados citogenéticos de pequenos mamíferos, que servirá de apoio aos estudos com esse grupo taxonômico, assim deverá ser disponibilizdo em um sítio eletrônico dados da literatura e do presente projeto contendo informações cariotípicas das espécies brasieiras.

Data de início: 2014-05-01
Prazo (meses): 24

Participantes:

Papelordem decrescente Nome
Coordenador Roberta Paresque
Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Rodovia BR 101 Norte, Km 60 - Bairro Litorâneo, São Mateus - ES | CEP 29932-900