Diversidade e conservação de Inga Mill. (Leguminosae: Mimosoideae) no Espírito Santo, Brasil

Resumo: O Espírito Santo abrange a maior parte do Corredor Central da Mata Atlântica, uma área de extrema importância biológica, que abriga importantes centros de endemismos de plantas. Sua flora ainda é pouco conhecida, mas sua elevada riqueza tem sido apontada em diversos estudos. O Estado é considerado um dos quatro centros de alta diversidade e endemismo da Mata Atlântica e o grande número de espécies novas para sua flora descritas, nas últimas décadas, aponta a necessidade de novas pesquisas para sanar as lacunas no conhecimento existentes. A família Leguminosae apresenta inúmeras espécies que despertam interesse para pesquisas, por serem consideradas endêmicas ou ameaçadas de extinção e de interesse econômico ou ecológico, como espécies pioneiras indicadas na recomposição florestal. Sendo assim, assumem um importante papel em estratégias conservacionistas e de manejo florestal. O gênero Inga (Leguminosae: Mimosoideae) possui cerca de 300 espécies. O Brasil é um dos seus principais centros de diversidade e a Mata Atlântica um dos principais centros de endemismo. Possui elevada importância econômica e ecológica, com diversas espécies utilizadas como alimento, adubo verde, fonte de madeira e em recuperação de áreas degradadas. Diante do exposto, o objetivo deste projeto é conhecer a diversidade de Inga no Espírito Santo, através de estudos florísticos, ecológicos, fitogeográficos e filogeográficos. Os resultados obtidos irão revelar: [1] o número de espécies de Inga ocorrentes no Estado e identificarão a presença daquelas endêmicas, raras, ameaçadas de extinção e de importância econômica; [2] os marcadores moleculares de regiões de cpDNA úteis em estudos filogeográficos do gênero; [3] a variação genética encontrada em Inga subnuda e Inga lepthanta, e a distribuição desta variação no Corredor Central da Mata Atlântica, além da rota de colonização destas espécies; [4] a estrutura da vegetação de fragmentos florestais onde ocorrem populações de Inga e o estádio sucessional destes fragmentos; [5] áreas de maior riqueza de Inga e os fatores que influenciam esta riqueza; e [6] áreas de maior importância biológica e prioritárias para a conservação da Mata Atlântica. Estes resultados oferecerão subsídios a futuros trabalhos filogenéticos, ecológicos e de outras ciências afins e contribuirão para o entendimento da história evolucionária da Mata Atlântica, em especial, da região do Corredor Central. Além disso, serão importantes para o conhecimento da Flora do Estado e para a conservação de seus recursos naturais.

Data de início: 2014-01-01
Prazo (meses): 36

Participantes:

Papelordem decrescente Nome
Aluno Mestrado Lucas de Almeida Silva
Coordenador Valquíria Ferreira Dutra
Pesquisador Luciana Dias Thomaz
Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Rodovia BR 101 Norte, Km 60 - Bairro Litorâneo, São Mateus - ES | CEP 29932-900