Distribuição e estrutura das comunidades de peixes recifais e identificação de agregações reprodutivas no Espirito Santo

Resumo: Os recifes de corais estão, atualmente, entre os ecossistemas mais ameaçados do planeta. Sobre-explotacao de seus recursos vivos, como a pesca e a coleta de peixes para aquariofilia, mudanças climáticas e a poluição dos oceanos, são ações humanas que agem de forma sinergética alterando a resiliência desse ecossistema, um dos mais produtivos do planeta. Associado aos impactos mencionados, observa-se que alguns aspectos sobre a biologia e história de vida de muitas das espécies de peixes que vivem associados aos sistemas recifais (como é o caso dos epinephelídeos e lutjanídeos) os tornam extremamente suscetíveis à pesca. Esse fato se deve a que estas espécies se reproduzem formando grandes agregações, que são previsíveis no tempo e no espaço, o que as torna extremamente vulneráveis a captura. Compreender a dinâmica pesqueira e seu esforço sobre espécies-alvos é necessário para a criação de formas adequadas de manejo e gestão dos espaços e uso de recursos marinhos vivos. Neste aspecto, determinar a ocorrência e o uso de hábitat por estas espécies, assim como predizer hábitats adequados para o desenvolvimento dos distintos estágios de vida das espécies de peixes recifais (assim como locais das agregações reprodutivas) é fundamental para planejar as medidas de gestão espacial da zona costeira. A implantação de áreas marinhas protegidas, ou, unidades de conservação, é uma das ferramentas de gestão pesqueira mais bem-sucedidas no mundo, que contribuem para mitigar os efeitos deletérios das ações antrópicas humanas e fortalecer a pesca sustentável. A presente proposta objetiva determinar, a partir de modelos ambientais, as áreas prioritárias para a conservação ao longo da costa capixaba no que tange as espécies de peixes recifais de interesse econômico, tanto espécies alvo da pesca quanto espécies capturadas para atender ao crescente mercado de aquariofilia. Para tal, serão coletados dados provenientes do censo visual subaquático e videotransectos que alimentarão um banco de dados geoespacializado para caracterização e modelagem dos habitats recifais ocorrentes na área de estudo. Adicionalmente, e usando a mesma metodologia descrita, identificaremos os locais de agregações reprodutivas que, apoiados por dados biológicos e de esforço pesqueiro, embasarão a criação de modelos preditivos para determinação da probabilidade de ocorrência das agregações nos habitats mais adequados na costa do estado. Finalmente, baseados nos dados levantados e modelos construídos, além de já estarmos munidos de dados pretéritos de esforço pesqueiro na região, seremos capazes de construir mapas georreferenciados, a escala de 1:50000, dos diversos setores do estado do Espírito Santo, evidenciando áreas prioritárias para sua conservação, contribuindo desta forma para uma gestão espacial adequada dos recursos vivos marinhos do estado, através de um manejo baseado no ecossistema.

Data de início: 2016-11-01
Prazo (meses): 24

Participantes:

Papelordem decrescente Nome
Coordenador Maurício Hostim Silva
Pesquisador Vander Calmon Tosta
Pesquisador Alex Cardoso Bastos
Pesquisador Helen Audrey Pichler
Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Rodovia BR 101 Norte, Km 60 - Bairro Litorâneo, São Mateus - ES | CEP 29932-900